Governo do Estado retoma serviços de consultas e cirurgias oftalmológicas na Zona da Mata

Sesau trabalha de forma que os atendimentos sejam retomados sem oferecer risco aos pacientes durante a pandemia

O Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), retoma gradativamente as consultas e cirurgias oftalmológicas na Zona da Mata (Alta Floresta do Oeste, Alto Alegre dos Parecis, Castanheiras, Nova Brasilândia do Oeste, Novo Horizonte do Oeste, Rolim de Moura, Santa Luzia do Oeste, Parecis), com a cidade polo, sendo Cacoal, dando continuidade ao Projeto Enxergar, para zerar a fila de espera por esses procedimentos.

“Estamos trabalhando de forma que esses atendimentos sejam retomados sem que ofereça risco aos pacientes, afinal a pandemia não acabou, porém sentimos a necessidade de voltar com alguns atendimentos, inclusive o de oftalmologia”, disse o secretário de saúde, Fernando Máximo.

Os atendimentos iniciaram no último dia 12, realizando consultas com médicos oftalmologistas para possível encaminhamento de cirurgia de catarata e pterígios. Com uma estimativa de realizar em torno de duas mil cirurgias oftalmológicas, no período de 60 dias, atendendo 10 pacientes pela manhã e 10 pela tarde, respeitando os requisitos de distância e aglomerações de pessoas, sendo adotadas todas as medidas de barreira e distanciamento social, exigido pelo órgãos de controle. “Após esse período vamos verificar os pacientes que ainda estão na lista de espera, para desenvolvermos uma nova ação, e atender os que não foram contemplados nesse primeiro momento”, destacou o coordenador da oftalmologia, Richael Costa.

Inicialmente, os atendimentos oftalmológicos irão beneficiar a população da região da Zona da Mata (Cacoal, Pimenta Bueno, Espigão do Oeste, São Felipe do Oeste, Primavera de Rondônia e Ministro Andreazza) e os municípios de Costa Marques, Seringueiras e São Francisco. No Vale do Guaporé, serão contemplados cerca de 1.042 pacientes, que após avaliação, possivelmente irão fazer cirurgias de catarata e pterígios.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA