Poesia: PAIXÃO AO EXTREMO

Coronavírus

PAIXÃO AO EXTREMO

Te amo querida, loucamente

Quero tê-la em cada vão momento

Se pudesse te levaria à lua

Te amaria assim mesmo nua

Mesmo indo contra o sacramento.

 

Sinto o gosto do teu beijo suave

Seu semblante caído, cheio de timidez

Bebo tua imagem, ou tua miragem!

Te amando forte, sem camaradagem

Numa mistura de sono e embriaguez.

 

Somente o mar me faz imaginar

O macio do teu colo, o sabor de teu beijo

O breve soluçar da brisa, teu toque cálido

E fico sonhando, dormindo ou acordado

Sentindo teu hálito, metáfora do desejo.

 

Paixão extrema, amor alucinado

Suave como a noite clara de luar

Insana e ingênua metáfora do amor além

Só amo-a, não penso em mais ninguém

Como sou egoísta por somente te amar!

 

E continuo deitado na minha cama de casal

Esperando que um dia deite ao meu lado

Assim passam várias noites e completa um ano

Remoendo este meu amor quase insano

Meu coração ficando gelado.

 

Ah querida! Não me faças mais chorar

Pois é o que faço, neste momento

Viro-me na cama, quase sem parar

Pensando em tudo, em você, em viajar

E esquecer de vez este sentimento.

 

Moisés Oliveira da Paixão

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA