Japonês apresenta projeto de restauração do Museu Casa de Rondon: obra já está licitada pela Setur e será executada por empresa vilhenense

Coronavírus

Após dois anos de esforço administrativo, ligações, e-mails, produção de documentos, reuniões em Brasília e Porto Velho, contato com Governo Federal e Estadual, o prefeito de Vilhena Eduardo Japonês e o secretário municipal de Turismo, Indústria e Comércio, Marcondes Cerrutti, apresentaram nesta terça-feira o projeto de restauração do Museu Casa de Rondon, que teve a ordem de serviço finalmente emitida no fim da tarde desta segunda-feira, 10. Licitado já há vários meses pela Setur (Superintendência Estadual de Turismo), do Governo do Estado, o projeto será executado agora por empresa vilhenense com recursos estaduais e envolve várias benfeitorias no local, avaliadas em mais de R$ 500 mil, com previsão de conclusão ainda para este ano.

“Agora vai! Esta gestão se empenhou arduamente em diversas reuniões em Porto Velho, Brasília e incontáveis visitas, documentações, viagens, estudos de legislação e ligações para que esse projeto se tornasse realidade. Os vilhenenses esperavam por décadas por essa obra de restauração. Este é mais um problema crônico que estamos conseguindo resolver, de fato, depois de ficar pendente por dezenas de anos”, comemora o prefeito Eduardo Japonês, que em dezembro de 2019 visitou o espaço acompanhado do empreiteiro vencedor da licitação, Valter dos Santos, da Construtora OK, e também do secretário regional do Estado, Nilton Cordeiro.

O projeto amplo está avaliado em R$ 506 mil e envolve três ações no local: restauração do pátio, construção de um bloco administrativo e restauração do próprio museu. Marcondes Cerrutti lembra o trabalho necessário para chegar a essa etapa. “Foi uma luta árdua que está dando frutos agora. Estou muito feliz em poder participar ativamente dessa iniciativa que vai fomentar o turismo em nossa cidade, bem como atende aos antigos pedidos da população, que sempre exigiram atenção, zelo e cuidado por parte da Prefeitura em relação à Casa de Rondon. Pois bem, é o que estamos fazendo e aí está esse belo projeto que já se torna um marco na história local e regional”, revela Marcondes, que esteve em fevereiro finalizando as etapas burocráticas necessárias para o início da obra. Relembre aqui: http://www.vilhena.ro.gov.br//index.php?sessao=b054603368vfb0&id=1405559.

A OBRA – No pátio, a obra envolve pavimentação de 2.082 m² em bloquetes, subestação de energia, equipamentos de acessibilidade, alambrado de proteção, bicicletário, portão de acesso, estacionamento para carros e motos, painel de identificação na fachada, aplicação de grama em 283 m², plantio de pelo menos 20 árvores nativas, implantação de oito bancos de concreto e diversas lixeiras, bem como recuperação dos mastros metálicos. Na entrada está prevista ainda uma foto ampliada de Cândido Rondon.

Valter, responsável pela obra, mora em Vilhena desde a década de 70 e garante que está feliz em poder realizar essa importante restauração. A ordem de serviço permite que ele comece dentro de 10 dias, porém, ele garante que deve iniciar os trabalhos no local nesta terça-feira mesmo. Ele explica que o bloco administrativo terá área construída de 72 m² e vai conter seis banheiros, uma sala administrativa, cozinha e lanchonete. A fachada do local será construída de modo a eternizar a célebre frase dita por Marechal Rondon: “Morrer se preciso for; matar nunca”.

No prédio histórico as partes de madeira terão tratamento com cupinicida e haverá recuperação da cobertura, das esquadrias, dos pisos, revestimento, pinturas e forros, bem como refeitas as instalações elétricas, garantindo o pleno funcionamento da edificação. A execução será acompanhada pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), com o objetivo de garantir o máximo de preservação do prédio e manutenção da arquitetura original, a partir dos elementos ainda existentes.

IMPORTÂNCIA ESTADUAL – Gilvan Pereira Júnior, titular da Superintendência de Turismo do Estado, responsável pela licitação da obra, lembra que “o projeto apresentado traz consigo um desenho que valoriza a história do surgimento do estado de Rondônia tendo como marco inicial o posto telegráfico Casa Rondon. Queremos valorizar o Marechal Rondon por sua importância na formação de vários povoados em nosso território e promover a interação da comunidade local com sua própria história”.

O secretário regional, Nilton, explica que o acabamento será minucioso, como exige a importância histórica da obra. Até mesmo “todas as manchas e salpicos de tinta serão cuidadosamente removidos, dando-se especial atenção à perfeita execução”.

HISTÓRICO – Apesar de a luta pela permissão de realização de obras no local remonte uma longa conversa com a Aeronáutica que começou ainda na administração do já falecido prefeito Arnaldo Lopes Martins, a troca de comando no Governo Estadual deu celeridade ao processo. O governador Marcos Rocha e a Setur foram sensíveis à causa de valorização do local, fundado pelo Marechal do Exército Cândido Mariano da Silva Rondon, também engenheiro militar e bacharel em Ciências Físicas, Naturais e Matemáticas.

Em março de 2019 a Secretaria Municipal de Meio Ambiente elaborou e despachou a licença ambiental prévia e já em maio o prefeito Eduardo Japonês aprovou o projeto arquitetônico da Setur, que então foi encaminhado para novos trâmites e posterior licitação, encerrada no mês passado. A Semtic (Secretaria Municipal de Turismo, Indústria e Comércio) produziu diversos documentos a pedido do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), da Setur, da Aeronáutica e do Governo Federal.

Da mesma forma a Fundação Cultural de Vilhena, através de sua presidente, Kátia Valléria, fez contato diversas vezes com parlamentares, servidores, entidades, militares e representantes do Governo para agilizar o processo. Depois de pronto, o espaço será administrado pela Fundação e será novo ponto de encontro da cultura e memória do município.

A servidora Rita Marta Corrêa, agente administrativa da Semtic, que acompanha as tentativas de restauração do museu há décadas, através de várias administrações municipais, admite que o prefeito Eduardo Japonês merece os louros da conquista. “Esta é a realização de um sonho e significa o resgate da nossa história, porque além deste posto telegráfico fazer parte da formação de Rondônia e de Vilhena, também me faz recordar dos melhores dias de minha infância”, completa Rita.

Uma segunda fase do projeto já está prevista e envolve edificação de pistas de caminhada, mais gramado, jardins e espaços de convivência, transformando o local em um parque histórico e ambiental. Para esta etapa ainda não há previsão de realização do processo licitatório.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA