Idaron muda perfil exportador de Rondônia e almeja a condição de livre de febre aftosa sem vacinação

Rondônia almeja a condição de livre de febre aftosa sem vacinação

A Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron) completou, neste mês, 20 anos de criação.  A agência foi criada pela Lei Estadual nº 215 em 19 de julho de 1999. De lá pra cá o desafio foi de mudar o status sanitário de Rondônia de risco desconhecido para um estado livre de febre aftosa com vacinação. “Hoje estamos almejando a condição de livre de febre aftosa sem vacinação com reconhecimento de livre da patologia nacional e internacionalmente”, destaca Júlio César Rocha Peres presidente da Idaron.

Júlio explica que, quando o estado sofreu com fechamento das barreiras sanitárias para comercialização de animais e seus produtos e subprodutos, o estado teve que fazer uma verdadeira mobilização, juntamente com os produtores e a iniciativa privada, para fazer um cadastramento da atividade pecuária com objetivo identificar os produtores e rebanhos existentes no território.

A Agência foi criada em julho de 1999

No ano do fechamento, tínhamos o status de risco desconhecido para febre aftosa, com os trabalhos, fomos mudando de status até atingir a condição de livre de febre aftosa com vacinação. Hoje estamos almejando a condição de livre de febre aftosa sem vacinação com reconhecimento nacional e internacionalmente. Que propiciará visibilidade do estado a mercados mais exigentes.

Em 20 anos,  a Idaron contribuiu para mudança significativa no perfil da pauta exportadora de Rondônia. Quando a agência foi criada 1999, a pauta de exportação era dominada por produtos de origem florestal  como madeira entre outras, totalizando mais de U$ 62 milhões de dólares em exportação. Em 2018, a pauta de exportação fechou com um valor de mais de U$ 1 bilhão de dólares, tendo como principais produtos exportados de os origem animal e vegetal como carnes e derivados, soja, milho e café.

“Os trabalhos da agência frente à produção agropecuária do estado tem um viés de certificar, garantir protocolos de mercados compradores exigentes e a garantia da execução por parte do produtor. Então! A Idaron está nesse viés de certificar, e garantir para quem compra, que o protocolo está sendo executado por quem produz e transforma,” esclarece Peres.

 

SE PREPARANDO PARA O FUTURO

O Governo do Estado tem investindo na reestruturação da agência Idaron buscando a atualização de máquinas e  equipamentos e a capacitação dos servidores com viés tecnológico. “Nós saímos à frente de todos os estados do país com a implementação do sistema de videomonitoramento na região de fronteira com o estado do Mato Grosso. Além de termos o anseio de avançar na identificação por imagens de satélite,  na inteligência da fiscalização e no desenvolvimento de programas que venham somar facilitando os processos aos nossos colaboradores e ao usuários no campo,” descreve o presidente.

“Nesses 20 anos, a sociedade rondoniense, o setor produtivo e em especial todos os colaboradores da agência Idaron ensinaram que não existe um trabalho mais fácil ou um trabalho menos glorioso. Pois da forma que foi conduzido, garante ao Estado participação ativa no cenário nacional e internacional do agronegócio. A credibilidade de fazer defesa sanitária é um estado de graça. E nossos colaboradores com toda certeza, vestem a camisa”, finaliza Peres.

Leia mais:

Carne desossada de bovino congelada garante mais 30% de toda a pauta de exportação de Rondônia nos seis primeiros meses de 2019

Fonte
Texto: Dhiony Costa e Silva
Fotos: Jeferson Mota e Daiane Mendonça
Secom – Governo de Rondônia

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA