CARLOS MAGNO CONFIRMA DEFENDER NO SENADO PLEITOS DOS SOLDADOS DA BORRACHA E SERINBGUEIROS DA AMAZÔNIA BRASILEIRA

Se eleito Senador nas eleições deste ano, pretende abrir arquivos da inteligência americana a fim de esclarecer o papel dos soldados da borracha e seringueiros da Amazônia na Segunda Guerra Mundial


 Imprimir página

Porto Velho, RONDÔNIA– Ciente de que na Democracia se constrói uma visão de mundo e onde se busca o bem-comum, o candidato Carlos Magno, do Partido Progressista (PP), se eleito Senador nas eleições deste ano, pretende abrir arquivos da inteligência americana a fim de esclarecer o papel dos soldados da borracha e seringueiros da Amazônia na Segunda Guerra Mundial.

No documento encaminhado ao candidato – que foi deputado estadual e federal, secretário da Agricultura e Chefe da Casa Civil no Governo Cassol -, “a categoria reivindica aprovação de vários benefícios garantidos pelo ex-presidente Getúlio Vargas, inclusive, firmados na presença de chefes militares norte-americanos, como condição para que o Brasil participasse do grande conflito”.

 

Encabeçam a listagem enviada aos presidentes brasileiros e ao Congresso Nacional, o 13º Salário (ou pensão natalina), equiparação igual a dos combatentes (Decreto-Lei 5.225 de 01/02/43),atendimento médico em hospitais das forças armadas e passe livre nos ônibus, fornecimento de remédios. Além da abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que esclareça o que foi a Batalha da Borracha e o papel do Brasil e dos Estados Unidos frente aos soldados da borracha.

Carlos Magno, contudo, assegurou à categoria no Estado e na Amazônia Ocidental Brasileira que, “em memória aos 60 mil nordestinos convocados e recrutados aos seringais amazônicos, irei faze minha parte no Congresso, uma vez eleito Senador da República”.

Magno disse que “há ótimas razões para crermos que a Justiça seja feita num eventual governo comprometido com os heróis nacionais”; entre os quais, soldados da borracha cujos nomes estãoinscritos no Livro dos Heróis da Pátria (Panteão da República), fincado, em Brasília.

Ele disse que a restauração de direitos assumidos pelo governo Getúlio Vargas durante o denominado Grande Conflito (1939-45) puxado por Adolpho Hitler, Itália e o Japão, “pode e deve ser restabelecida a esses brasileiros ainda em vida; e a seus dependentes por tão imensurável esforço de guerra, que atraídos foram pela propaganda getulista que lhes garantiam fama e fortuna na Amazônia”.

Enfim, para nortear essas ações frente à formação de um novo Congresso (2019-27), Carlos Magno, na inicial da formação dos pleitos da categoria, deve obter apoio, sobretudo das

bancadas do Norte, Nordeste e Centro Oeste, não excluindo incursionar seus périplos entre futuros colegas congressistas advindos de outros da Federação.

Dirigentes dos soldados da borracha e seringueiros na Amazônia Brasileira, com assento em Rondônia, Acre, Amazonas, Pará, Amapá e Roraima, especificamente, estão se mobilizando para subsidiá-lo de documentos (alguns raros) e informações da Inteligência Militar dos Estados Unidos que atestam a importância da mobilização e o recrutamento dos soldados da borracha para a Segunda Guerra Mundial.

Cartas de autoria do Major norte-americano Frederick Sharp para o Departamento de Guerra dos Estados Unidos, em 27 de janeiro de 1941, atualmente, arquivadas em Washington (Arquivo Military Intelligence Division, Box 197), já indicavam que a indústria pneumática sofreria baixas no fornecimento de látex e que a salvação seria acelerar a produção aos Aliados dos EUA, a partir dos seringais da Amazônia.

Com relação à criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), uma vez eleito Senador, os soldados da borracha e seringueiros acreditam que, em pleno exercício do mandato, Carlos Magno possa conquistar o apoio da parte maior dos congressistas, já que esse instrumento tem poderes de investigação próprios das autoridades judiciais e que não veem empecilho algum, no âmbito das duas Casas (Câmara e Senado), em esclarecer que esses brasileiros extraíram o látex sob a orientação dos governos dos Estados Unidos e do Brasil”, completaram interlocutores da categoria, na Capital Porto Velho.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA