Justiça determina retirada do nome do PSC do material publicitário de “Japonês”; multa é de R$ 5 mil por dia

Por determinação judicial, a coligação “Trabalho, Respeito e Verdade Já!”, que tem Eduardo “Japonês” (PV) e Maria José da Farmácia (PSDB) como candidatos a prefeito e vice na eleição suplementar em Vilhena, terá que excluir de sua propaganda o nome do Partido Social Cristão (PSC).

A decisão foi proferida pelo Juiz Eleitoral, Gilberto José Giannasi, nesta terça-feira, 22.
De acordo com a decisão, a coligação que apoio “Japonês” terá que se abster de distribuir, a partir desta terça-feira, todo o material de propaganda eleitoral que contenha menção ao PSC, partido já excluído da referida coligação. “Proceda à imediata regularização de sua propaganda eleitoral, a fim de que não conste menção da agremiação partidária excluída”, destacou o magistrado.

Em caso de descumprimento, o Juiz fixou o pagamento de R$ 5 mil, por dia à coligação.

O CASO

A retirada do PSC da coligação “Trabalho, Respeito e Verdade Já!”, deve-se ao pedido feito pela diretoria do partido.

Marcelo de Farias, presidente da sigla, foi quem levou à tona a irregularidade em Ata que proclamou “Japonês” candidato a prefeito. O líder partidário disse que o PSC nunca assinou essa ata de convenção.

Advogados da coligação “A Vontade do Povo”, que apoiam Rosani Donadon, afirmam que “outros partidos serão excluídos da coligação de Japonês devido a este problema”.

 

Fonte: Assessoria

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA