EXCLUSIVO – Registro de assaltos cresce em todo estado, alguns municípios até 500%

assalto5

Um levantamento de registros policiais realizado pelo sindicato dos delegados de Rondônia mostra índices absurdos da violência no Estado. A pesquisa abrange diversas tipificações de crimes e no ‘roubo/assalto’ o aumento de ocorrências é sinal de alerta.

A pesquisa foi feita pelo Departamento de Informática, registrando a quantidade de ocorrências por tipo e localidade nos últimos cinco anos, visando principalmente as grandes cidades de Rondônia e seus respectivos distritos policiais. Foram tabulados dados de 2010 a 2015. Os registros de 2016 também constam dos relatórios, mas ainda não terminou o ano e os percentuais devem aumentar.

Entre os distritos policiais que tiveram aumento alarmante de assaltos a mão armada ou sob grave ameaça, vale destacar alguns. Na capital, o 6ª DP que passou de 154 em 2010 para 1260 em 2015. Outra delegacia que apresenta crescimento significativo é o 4ª DP, com  439 (2010) e  1814 ( 2015). O sexto DP também aparece na área de grande mancha criminal, com registro de 154 assaltos em 2010 e 1261 em 2015.

No interior, em Ariquemes, o 3º DP saiu de 33 ocorrências em 2011 (ano de inauguração) para 1425 em 2015. Em 2016, já se somam 1560 roubos na região.

Em Cacoal, o 1º DP também aponta aumento significativo de registros. Em 2010 foram anotados 160 crimes contra 532 em 2015.

Em Candeias do Jamari, município distante cerca de 20km da capital, o 1º DP registrou 30 casos em 2010. Em 2015, sobe para impressionantes 314. Este ano, já contabiliza-se 363.

Rolim de Moura também aparece entre municípios com crescimento do crime, com 67 (2010) contra 328 em 2015.

ESTAVEL OU QUEDA

Alguns municípios mantiveram números próximos ou apresentaram queda.  Alta Floresta do Oeste registrou 25 assaltos e em 2015, apenas 21 ocorrências. Nova Mamoré apresentou queda. Em 2010 foram 26 BOs contra 17 em 2015.

Santa Luzia também reduziu com oito em 2010 e sete  em 2015. Em linhas gerais, os pequenos munícipios conseguem manter a criminalidade em patamares sem muita alteração.

CAUSAS

Falta de efetivo da Policia Civil, falta de investimento na PC e valorização do profissional. Alguns destes pontos são estrangulantes para um bom trabalho da Policia Civil segundo sindicato da categoria.

Com a falta de contratação de novos profissionais, o claro déficit de efetivo, o pagamento de horas extras para agentes poderia dar um impulso nas investigações. Seria um ‘jeito’ de resolver a curto prazo para aumentar o combate a criminalidade.

Atualmente são cerca de 1500 profissionais entre delegados, agentes e escrivães para atender todos os 52 municípios de Rondônia.

Outro fator determinante para combater efetivamente a criminalidade é o bloqueio de sinal de celulares em presídio, de onde grande parte das ordens e mandos de crime são emanadas.

Confira gráficos abaixo

 

Fonte: RONDONIAOVIVO

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA